quinta-feira, 27 de novembro de 2014

7 dicas para melhorar sua criatividade

Muitas pessoas dizem que para ter prosperidade é necessário economizar e investir. Apesar de que estas ações ajudam, o fator mais importante para gerar e manter riqueza em longo prazo é a criatividade.

O escritor e filósofo L. Ron Hubbard explica: “Agora, se você pensa que o dinheiro é o fim do esforço, está cometendo um grave erro aqui também, porque o dinheiro é meramente a representação de sua criatividade, é tudo que ele é. Somente representa sua criatividade de alguma forma. Se sua criatividade é boa, você não tem de se preocupar em economizar dinheiro. Seu melhor investimento é sua própria destreza e sua habilidade de recompor as coisas novamente, sua habilidade de se manter com suas próprias pernas e viver – este é o melhor investimento do mundo.”

Por isso, aqui estão algumas dicas de como melhorar sua criatividade:

1)    Evite álcool e drogas: seus pensamentos precisam ser claros e objetivos. Ninguém consegue raciocinar direito quando está sob o efeito de álcool ou drogas de qualquer tipo.
2)    Tenha uma alimentação saudável evitando açúcar e gorduras prejudiciais: o corpo tem de estar bem nutrido para que sua mente funcione bem.
3)    Pratique exercícios físicos regularmente: uma saúde física melhorada vai contribuir para maior saúde mental.
4)    Durma bem: depois de 7-8 horas de sono tranquilo, seu pensamento estará mais claro.
5)    Combata a introversão: introverter é olhar para dentro de si mesmo. Você vai pensar melhor e com mais clareza se der “passeios” de 10-15 minutos por dia, olhando para fora de si mesmo e observando o meio ambiente.
6)    Leia mais usando sempre bons dicionários: a leitura vai trazer ideias novas, mas é importante não passar por cima de palavras que não entenda. Livros de ficção, principalmente de aventura e ação, também ajudam.
7)    Pratique a técnica de autoanálise contida no livro de mesmo nome: é um método que reaviva a lembrança de experiências positivas e ativa as percepções gravadas nestas experiências. Deste modo, a memória e a criatividade melhoram muito.

Portanto, se quiser gerar mais dinheiro continuamente, invista em si mesmo e na sua própria capacidade de criar!

Veja mais informações sobre o livro Autoanálise aqui: 

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Quem quer ser feliz?


A busca pela felicidade é, de fato, um dos temas mais antigos da humanidade. Há 2.400 anos, o filósofo grego Sócrates, que perambulava pelas ruas de Atenas, iniciou um debate que dura até hoje: o que é felicidade? Como atingi-la? O que nos torna felizes?
Até então, as pessoas acreditavam que dependiam basicamente da vontade dos deuses.
A própria origem da palavra indica isso. “Happiness” vem do anglo-saxão “happ”, acaso. “Felicitas”, o termo latino que dá origem à felicidade, significa também ventura, sorte, algo que lhe acontece.
O grande avanço de Sócrates foi tornar a busca da felicidade uma tarefa de responsabilidade do ser humano, e não do acaso.
Nos dois milênios que se seguiram, a questão foi abordada por inúmeros pensadores, de Aristóteles aos grandes filósofos cristãos, e a noção de felicidade alternou-se entre várias tentativas de conciliar a conduta individual e a determinação divina.
Na Constituição americana, já na segunda linha está escrito que todo homem tem o direito inalienável à vida, à liberdade e à busca da felicidade. Mas não diz como atingir esta felicidade.
Nos últimos dois séculos, portanto, a felicidade tem sido um dos principais fatores mensuráveis para dar sentido à vida humana.
Mas foi só em 1950 que o escritor e filósofo americano L. Ron Hubbard trouxe uma luz ao tema da felicidade, definindo-a em termos práticos.
Ele escreveu: “Felicidade poderia, portanto, ser definida como a superação dos obstáculos na direção de um objetivo desejável.” L. Ron Hubbard
Assim fica mais fácil de entender por que algumas pessoas acham que o dinheiro não traz felicidade e outras acreditam que não podem viver felizes sem ele. Depende unicamente das metas de cada um.
Se a sua meta é conseguir um excelente emprego, por exemplo, você ficará feliz quando for chamado para uma entrevista. Ainda não conseguiu o emprego, mas superou um obstáculo sendo escolhido dentre centenas de currículos enviados.
Por isso que ter metas e objetivos é tão importante. Além disso, conseguir manter a disposição e perseverar ante os obstáculos com autoconfiança suficiente para vencê-los é também essencial na obtenção da felicidade.
Para isso é necessário estar emocionalmente bem de forma constante.
À medida que uma pessoa perde, fracassa e sofre, ela tem menos possibilidade de manter-se motivada e energética para atingir seus objetivos e ser feliz. Às vezes, as barreiras e quedas são tantas que a desistência é certa.
Portanto, é extremamente importante conhecer e aplicar a técnica terapêutica de Dianética que realmente alivia os fracassos e perdas do passado (mesmo esquecidos), para assim conseguir reabilitar sua disposição e autoconfiança.
Para ser feliz, então, um indivíduo precisa ter metas e acreditar que conseguirá alcançá-las. Começar a traçar seus objetivos é um ótimo exercício para aumentar suas chances de ser feliz..
Conheça como funciona a terapia de Dianética assistindo ao DVD Como Usar a Dianética.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Sucessos da Campanha "Mais Educação, Menos Violência"!

Com quase 140 mil livros O Caminho para a Felicidade distribuídos à população em São Paulo em menos de um mês, e várias palestras e seminários realizados, nota-se que a cidade está mais tranquila e segura para se viver!

Minha admiração a todos que de alguma forma contribuíram!

Continuaremos com a campanha até atingir nossa meta de 500 mil livros O Caminho para a Felicidade distribuídos!

Sua ajuda é vital para que esta campanha dê certo!

Entre em contato, porque você também pode fazer algo a respeito!

Sinceramente,

Lucia Winther


quarta-feira, 16 de abril de 2014

O que coelhos e ovos têm a ver com a Páscoa?

Aproxima-se a Páscoa e todos estão ocupados planejando viagens e comprando os ovos de chocolate. Será que as pessoas em geral sabem o verdadeiro significado da Páscoa?

Como a Páscoa se aproxima, é importante esclarecer a origem e o significado verdadeiro da Páscoa. A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes entre as culturas ocidentais. A origem desta comemoração vem de muitos séculos.
O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim Pascae. Na Grécia Antiga, este termo também é encontrado como Paska. Porém sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo Pesach, cujo significado é passagem. 
Historiadores encontraram informações que levam a concluir que uma festa de passagem era comemorada entre povos europeus há milhares de anos. Principalmente na região do Mediterrâneo, algumas sociedades, entre elas a grega, festejavam a passagem do inverno para a primavera, durante o mês de março.
Geralmente, esta festa era realizada na primeira lua cheia da época das flores. Entre os povos da antiguidade, o fim do inverno e o começo da primavera era de extrema importância, pois estava ligado a maiores chances de sobrevivência em função do rigoroso inverno que castigava a Europa, dificultando a produção de alimentos.
Entre os judeus, esta data assume um significado muito importante, pois marca a libertação deste povo do Egito, por volta de 1250 antes de Cristo, onde foram aprisionados pelos faraós durantes vários anos. Esta história encontra-se no Velho Testamento da Bíblia.
Entre os primeiros cristãos, esta data celebrava a ressurreição de Jesus Cristo (quando, após a morte, ele voltou a se unir ao seu corpo).
Entre os cristãos, a semana anterior à Páscoa é considerada como Semana Santa. Esta semana tem início no Domingo de Ramos que marca a entrada de Jesus na cidade de Jerusalém.
Mas, o que tem a ver o colhinho de Páscoa e os ovos de chocolate com tudo isso?
A figura do coelho está simbolicamente relacionada a esta data comemorativa, pois este animal representa a fertilidade. O coelho se reproduz rapidamente e em grandes quantidades. Entre os povos da antiguidade, a fertilidade era sinônimo de preservação da espécie e melhores condições de vida, numa época onde o índice de mortalidade era altíssimo. No Egito Antigo, por exemplo, o coelho representava o nascimento e a esperança de novas vidas.
Já os ovos de Páscoa (de chocolate, enfeites, joias), também estão neste contexto da fertilidade e da vida.
Mas o que a reprodução tem a ver com os significados religiosos da Páscoa?
Tanto no significado judeu quanto no cristão, esta data relaciona-se com a esperança de uma vida nova.
Então, concluímos que a Páscoa realmente representa uma passagem, uma nova vida, a esperança de uma vida melhor, mais próspera, mais alegre, mais fértil!
E se tem a ver com esperança de uma vida nova e melhor, tem a ver com Dianética! Mas o que é Dianética?
Dianética é um método de melhoramento pessoal que revela os mistérios da mente e do comportamento humano. Foi desenvolvida pelo escritor e filósofo americano L. Ron Hubbard e iniciou-se com a publicação do best-seller Dianética: O Poder da Mente sobre o Corpo em 1950.
O que as pessoas mais querem melhorar são emoções e comportamentos ilógicos, irracionais.
Algumas pessoas são tímidas, outras são intolerantes, estressadas, ou ansiosas, ou inseguras. Elas não sabem por que se comportam desta forma e gostariam de mudar sua forma de ser e agir.
Dianética explica que a mente reativa é a causa de pensamentos, emoções e atitudes ilógicas, que não correspondem às circunstâncias atuais.
Além disso, este método provê uma terapia consciente de curta duração para eliminar a mente reativa e recuperar a personalidade básica de qualquer indivíduo.
No início do texto eu expliquei que a palavra “Páscoa” é de origem hebraica e significa passagem. Celebra a liberdade, o renascimento, o recomeço da vida!
Faça sua Páscoa realmente ter sentido para você participando do “Combo de Páscoa Dianética”. Três cursos de melhoramento pessoal que vão mudar sua vida: Dianética, Autoanálise e Aprendendo a Aprender. 
Inscreva-se em www.dianetica.com.br

Ou ligue para se informar do desconto especial de Páscoa para participar dos 3 cursos. (11) 5081-6711

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014


É possível aliviar a tristeza?

(Artigo de L. Ron Hubbard, editado e adaptado por Lucia Winther)

Ao longo dos tempos, a tristeza tem sido um dos fardos mais pesados e mais dolorosos carregados pela Humanidade. É a estes sofredores incontáveis, presentes e futuros, que a Dianética traz a esperança. Porque a Dianética alivia a carga da tristeza, não através do fechamento ou esquecimento do passado doloroso, mas através da abertura deste passado à luz, descarregando os sentimentos reprimidos para que tudo volte a ser livre e saudável.
Um acidente ou doença grave, um fracasso nos negócios, a morte de um ente querido – são experiências reais, são perdas reais, e cada uma delas carrega consigo uma redução do potencial de sobrevivência, um pequeno pedaço de morte. É por isso que as pessoas ficam tão oprimidas pela tristeza e, como consequência, declinam e até morrem.
Mas como a vida tem de continuar apesar das perdas ou catástrofes, é muito melhor que continue de uma forma feliz. É bem melhor ser capaz de olhar para trás com prazer e poder dizer: “Realmente foi formidável enquanto durou!” O indivíduo faz mais por si mesmo e pelo seu ambiente quando obtém um olhar retrospectivo calmo, sem dor no coração ou olhos cheios de lágrimas.
Na Dianética, nós encontramos a chave para abrir e esvaziar os reservatórios de emoção destrutiva. E as técnicas de Dianética são simples – tão simples como retornar a seu jantar do dia de ontem e sentir o cheiro e o gosto da comida.
Dianética contém um método para drenar as lágrimas na sua fonte para que as memórias temidas deixem de ser dolorosas. É um método científico, limpo e simples, para alcançar um fim que tem sido as metas dos rituais de tristeza de muitas religiões e de muitos povos: alcançar a paz, a harmonia e uma reorientação em direção ao futuro sem negar ou rejeitar o passado.
É maravilhoso ver a influência que a descarga da tristeza reprimida tem em uma pessoa, e ver um indivíduo tornar-se vivo de uma forma radiante e brilhante, e vê-lo voltando à vida normal e às relações boas e saudáveis. É quase um milagre ver o seu tom físico aumentando à medida que os efeitos debilitantes da tristeza são reparados e seu tom emocional subindo à medida que ele encontra uma nova esperança na vida.
A base para o poder da tristeza sobre a mente e o corpo encontra-se na natureza da mente reativa. A mente reativa é uma parte da nossa função mental que foi descoberta recentemente. Não é uma mente que pensa. É uma mente que reage cega e irracionalmente.
A mente reativa é composta por registros de experiências de dor e inconsciência. E a função da mente reativa é energizar, no nosso comportamento, as dramatizações reais destas experiências (repetições do que aconteceu) durante situações de emergência futuras que sejam de uma natureza semelhante. É a estas memórias de momentos de dor física e inconsciência que as cargas de tristeza se prendem, intensificando sua dramatização.
(Quando dramatiza, o indivíduo age como um ator interpretando sua parte e realizando uma série de ações irracionais.)
As experiências de dor e inconsciência, de menor ou maior grau, encontram-se gravadas em toda a linha do tempo da vida de uma pessoa, até mesmo no período pré-natal (antes do nascimento).
Mais tarde na vida, sempre que o ambiente fizer o indivíduo se lembrar vigorosamente de uma destas gravações, a mente reativa entra em ação. A mente reproduz as gravações na forma de doenças corporais, processos mentais como a ansiedade e a preocupação, e no nosso comportamento físico.
E tal como a dramatização da preocupação é a preocupação, também a dramatização da dor é a dor, a dramatização de uma discussão é uma discussão e a dramatização de lágrimas é lágrimas.
O tipo de comportamento compulsivo no qual as pessoas se veem envolvidas quando dizem: ‘Eu não sei por que ajo desta forma’, é normalmente a dramatização do material gravado em um destes registros dolorosos do passado.
Estes impulsos súbitos de emoção dolorosa que apertam o coração em uma cena comovente de um filme são a tristeza antiga em restimulação. Estas ondas de lágrimas repentinas e tristezas que embaçam a mente quando cenas e frases familiares voltam a aparecer perante os olhos e ouvidos são a antiga tristeza em dramatização. As lágrimas de simpatia, as lágrimas de compaixão, são todas lágrimas de tristeza. Elas são os sinais externos de sentimentos aprisionados em experiências reais de tristeza do passado, sentimentos que apenas precisam ser libertados para que aja tranquilidade mental.
A boa notícia é que Dianética contém a única técnica que descarrega toda a tristeza de sua vida e devolve-lhe a vitalidade, energia e entusiasmo!
Desta forma você consegue se tornar e permanecer mais motivado, autoconfiante e assim atingir suas metas na vida!
Compre o kit livro e DVD Dianética e ganhe o curso que vou ministrar nos próximos dias. Verifique a agenda de cursos do site.
Ligue (11) 5081-6711 ou adquira pelo site: www.dianetica.com.br


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Que enganação é o sistema de ensino moderno!

O professor finge que ensina e o aluno finge que aprende. Infelizmente, as escolas, colégios e universidades atuais não oferecem uma verdadeira educação. Mas, ainda é possível reverter esta realidade e trilhar por muito mais do que um mero diploma.


Quando consideramos o tema da educação, é melhor saber um pouco da história antiga. A palavra educação deriva do Latim e é composta por ex (“fora”) e ducere (“guiar, conduzir”). Ou seja, educar traz a ideia de “conduzir para fora”. Outras formas de expressar o conceito completo da palavra educação seriam revelar, produzir, cultivar, desenvolver e extrair.
Agora podemos entender melhor o método de ensino oferecido pelo filósofo grego Sócrates. Ele acreditava que o conhecimento verdadeiro reside dentro de cada um de nós e com o ensino apropriado nós podemos nos dar conta dele ou recordá-lo.
Sócrates considerava que o trabalho principal do professor era fazer perguntas que pudessem revelar, extrair, pôr para fora a habilidade natural do estudante para pensar, raciocinar e participar.
Que filosofia maravilhosa! Com ela os estudantes eram encorajados a olhar, observar, ponderar, pesquisar e aplicar à sua vida o que tinham descoberto.
Nossa, a que distância estamos disso se compararmos com o sistema educacional monótono das escolas atuais que força os estudantes a memorizar enorme quantidade de informação. A insistência para que os dados sejam amontoados na cabeça dos alunos e depois cuspidos numa prova ou exame causa danos ao poder de raciocínio e a habilidade que todo indivíduo tem de pensar e ir além.
O método usado nos dias de hoje frequentemente faz com as crianças e jovens detestem a escola, torna-os incapazes de pensar a respeito do assunto que estudam, e os mantém despreparados para enfrentar as inconsistências da vida.
Que enganação é o sistema de ensino moderno!
Mas há uma solução, a educação pode voltar a ter o status que merece. Pode se elevada ao nível que tinha muitos e muitos anos atrás de uma forma muito simples que é propondo perguntas que intriguem, empolguem e estiquem a imaginação.
Perguntas como: O que eu posso inventar para fazer esta ideia acontecer? Há alguma maneira de vencer aquela barreira? Como que posso alinhar esta ideia àquilo que já sei?
Apresente problemas desafiantes e peça aos estudantes que pensem em soluções. Convide-os a sonhar, imaginar, pensar fora da caixa, deixe-os saber que com suficiente criatividade tudo é possível.
Para que a educação recupere suas raízes originais, deve-se permitir que os estudantes questionem o que é “ já sabido” ou escrito em livros. Professores devem dar exemplos da história que mostrem que a “verdade” de hoje pode ser falsa no futuro.
Deve-se dar a oportunidade aos estudantes de explorar suas próprias paixões, porque paixão e desejo são componentes vitais da educação. E estudantes devem ser sempre encorajados a aproveitar a própria criatividade. Esta é a forma de acordar e manter vivo o amor por aprender que reside no fundo de cada um de nós.
Uma nova ideia, não importa quão pequena ou insignificante, pode se tornar abrangente e brilhante, pode até salvar um planeta inteiro da ignorância da verdade. Estas possibilidades são, afinal, a correta herança da educação!
A educação tem de voltar a ser como a da época dos filósofos gregos se realmente queremos uma grande evolução planetária.
Podemos começar ajudando as crianças e jovens a terem prazer em estudar usando as dicas citadas acima.
E para terminar, que tal refletir sobre o pensamento de um filósofo e educador do século XX?
“Desde que as crianças e os jovens encontrem prazer em estudar, eles continuarão estudando por toda a vida, e disso depende sua felicidade.” - L. Ron Hubbard
Inicie-se hoje mesmo no caminho de uma verdadeira educação adquirindo e estudando o livro Manual Básico de Estudo de L. Ron Hubbard.